A Jovem Pan lança nesta quinta-feira, 20, um mini documentário que mostra como Heliópolis, que possui 1.000.000m² e 200.000 habitantes e é a maior favela de São Paulo, está enfrentando a pandemia do novo coronavírus. O Estado de São Paulo registrou, até quarta-feira, 27.591 mortes por Covid-19 desde o início da pandemia no Brasil. As comunidades, por terem muitas pessoas concentradas em espaços pequenos, sempre foram motivo de preocupação. Além disso, os moradores não podem parar de trabalhar e não conseguem fazer home office. Há também outro problema: a falta de acesso à internet.

Um levantamento do Observatório “De Olho na Quebrada”, publicado em julho, mostrou que as grandes empresas, como Vivo, Tim e Claro, não chegam à comunidade ou chegam de forma inadequada. Isso não só impede os encontros virtuais com a família e os amigos, como também não permite a solicitação do auxílio emergencial do governo federal, o que leva as pessoas a se aglomerarem na porta de agências da Caixa Econômica Federal.

Quem também sofre com a falta de internet são crianças e adolescentes que precisam estudar, mas não conseguem. Assim, ficam com conteúdo atrasado. Daiane Alves, mãe de Guilherme, conta que ele não conseguiu fazer nenhuma aula remota desde que começou a quarentena. “A internet,tem horas que é só caindo, devido a estar todo mundo em casa, ela fica muito fraca, e não tem como assistir às aulas, porque não passa na televisão e não consigo acesso pelo celular, no aplicativo. Só tenho acesso aos conteúdos que a professora manda pelo grupo do WhatsApp”, afirma.

Heliópolis não tem uma estatística oficial a respeito do novo coronavírus, mas a região do Sacomã, onde ela está localizada, já registrou 12.454 casos da Covid-19 até o mês de julho, além de 326 mortes no mesmo período, segundo a prefeitura. Para mostrar a situação,  a repórter Nicole Fusco percorreu o território da comunidade. São quase nove minutos de conteúdo, que contam histórias de quem vive nela e encara não só o medo da contaminação, mas também o receio de não ter dinheiro para comprar o que precisa.