Suposta contaminação em pacote de frango importado do Brasil é ‘pouco provável’, dizem infectologistas


Segundo a OMS, coronavírus não podem se multiplicar em alimentos. Por isso, mesmo os alimentos importados de países com grandes surtos, como o Brasil, não oferecem risco de transmissão do vírus.
Reprodução/TV Globo
A prefeitura de Shenzhen, cidade da China próxima de Hong Kong, anunciou nesta quinta-feira (13) que detectou traços do novo coronavírus na superfície de pacote de frango importado do Brasil, o maior produtor mundial de frango.
De acordo com o número de registro informado no comunicado da prefeitura de Shenzhen, o lote pertence ao frigorífico Aurora, de Santa Catarina. Por meio de sua assessoria, o frigorífico informou que a mercadoria leva 40 dias para chegar à China.
China diz que não há, ‘por enquanto’, restrições para importações brasileiras
‘Não devemos criar a impressão de que há problema com nossa cadeia alimentar’, diz OMS
O G1 procurou infectologistas para comentarem o caso. Todos afirmaram que é pouco provável que o pacote do frango tenha sido contaminado no Brasil.
“Não existe comprovação científica que, mesmo estando congelado, o vírus poderia sobreviver na superfície tanto tempo [40 dias]”, explica o infectologista Marcelo Otsuba.
“Por isso, é muito pouco provável que o produto tenha sido contaminado no Brasil. O mais provável é que a contaminação tenha ocorrido no final, já na China, depois de ser manipulado por alguém contaminado”, afirma Otsuba.
Caso tenha conseguido viajar na superfície por tanto tempo, a infectologista do Hospital Emílio Ribas, Ana Freitas Ribeiro, aponta que o pacote pode ter sido contaminado em qualquer momento da viagem.
“Pode ter sido contaminado no Brasil, se alguém infectado manipulou o pacote sem luvas, sem máscara ou tenha espirrado nele, assim como pode ter sido contaminado quando chegou na China”, diz Ribeiro.
A microbiologista Natália Pasternak explica que, caso a contaminação do pacote tenha ocorrido de fato no Brasil, o vírus não chegaria ativo na China, capaz de contaminar as pessoas.
“Depois de 40 dias o vírus não está mais viável. O que pode ter acontecido é que foi detectado nesta inspeção o RNA do vírus, fruto da contaminação no manuseio da carne”, explica Pasternak.
Os infectologistas também ressaltam o modo como foi realizada a inspeção e o teste do pacote.
“Precisamos saber como foi feito o teste que detectou a contaminação. Alguns testes são muito sensíveis. Se a sala estiver contaminada, poderá contaminar o exame”, esclarece Ribeiro.
Veja quais são as vacinas contra a Covid-19 que estão em teste em humanos ao redor do mundo
Sem indício de contágio com alilmentos
Otsuba ressalta que não há evidência de que animais transmitem o coronavírus às pessoas.”Com notícias como essa, precisamos lembrar: animais não transmitem o vírus”, disse.
Nesta quinta, a Organização Mundial da Saúde (OMS) comentou que a notícia não deve causar pânico na população.
“Não devemos criar a impressão de que há problema com nossa cadeia alimentar”, disse o diretor de emergências da OMS, Michael Ryan.
Imprensa chinesa diz ter encontrado traços do coronavírus em frango importado do Brasil
O que diz a OMS
Segundo a OMS, os coronavírus não podem se multiplicar em alimentos. Por isso, mesmo os alimentos importados de países com grandes surtos, como o Brasil, não oferecem risco de transmissão do vírus.
“Como os alimentos não foram associados na transmissão da Covid-19, os alimentos importados devem ser submetidos aos mesmos controles de importação de antes da pandemia”, informa a OMS, complementando que “o teste de alimentos ou superfícies de alimentos para este vírus não é recomendado.”
Segundo uma publicação de maio da OMS, não há evidência científica que as pessoas possam se contaminar com a Covid-19 por meio de alimentos ou embalagens de alimentos, já que a contaminação não é oral.
“Covid-19 é uma doença respiratória e a via de transmissão é através do contato pessoa a pessoa e pelo contato direto com gotículas respiratórias geradas quando uma pessoa infectada tosse ou espirra”, esclarece um documento da OMS publicado no site da organização.
Salmão e camarão
Policiais com máscaras são vistos do lado de fora do mercado atacadista de Xinfadi, que foi fechado para negócios após a detecção de novas infecções pelo novo coronavírus, em Pequim, China, neste sábado (13)
Martin Pollard/ Reuters
Esta não é a primeira vez que a China afirma ter encontrado coronavírus em alimentos importados.
Em junho, a imprensa local chinesa noticiou que o coronavírus foi encontrado em tábuas de cortar utilizadas por um vendedor de salmão importado, em um mercado de Xinfadi, por onde passam 80% dos alimentos consumidos em Pequim. O salmão em questão teria vindo do Chile e, segundo a China, o caso teria sido o responsável por um novo surto de infecções da Covid em Pequim.
Em julho, foi a vez do camarão vindo do Equador ser acusado de estar contaminado após inspeções realizadas em pacotes que chegaram em dois portos diferentes da China, um no nordeste e outro no sudeste do país.
Initial plugin text

By Fred Souza

Veja Também