Preço da grama sobe devido à estiagem


Região de Itapetininga é uma das principais produtoras do Brasil. Preço da grama sobe devido à estiagem
Reprodução/TV TEM
O extenso gramado fica todo verdinho nesta época, já perto da colheita. O tapete foi preparado durante um ano e meio. Em Angatuba, a família Almeida planta grama em 70 hectares.
Umidade no ponto certo é fundamental. Se a chuva não vem, a terra fica seca e a grama pode não crescer como o esperado. Com isso, a colheita diminui e começa a faltar produto no mercado. Quem consegue atender a demanda acaba levando vantagem.
A Região de Itapetininga é considerada uma das melhores do Brasil para esse tipo de cultivo devido às condições climáticas e às características do solo.
Segundo a associação que representa o setor, a região conta com 85 produtores. Juntos, eles cultivam grama numa área 8 mil hectares. A principal variedade é a esmeralda.
(Vídeo: veja a reportagem exibida no programa em 23/08/2020)
Preço da grama sobe devido à estiagem
No município de Itapetininga, Márcio Lourenço responde por uma área de 150 hectares. A produção é garantida graças ao sistema de irrigação, que é muito usado nesta época de estiagem forte.
Márcio diz que em outras fazendas que não contam com irrigação, a colheita não vem sendo feita. A grama não se desenvolve para ficar no ponto de venda.
A estiagem tem sido o principal motivo do aumento do preço da grama. A alta é de 30% em relação ao ano passado. Hoje, o metro quadrado de grama não sai das propriedades por menos R$2,50.
Preço da grama sobe devido à estiagem
Reprodução/TV TEM
Acesse + TV TEM | Programação | Vídeos | Redes sociais
Confira as últimas notícias do Nosso Campo

By Fred Souza

Veja Também