‘Ideia de furar o teto existe, o pessoal debate, qual o problema?’, diz Bolsonaro sobre gasto público

Na quarta, após reunião com Maia, Alcolumbre e ministros, Bolsonaro fez manifestação pública de apoio ao teto de gastos. O presidente Jair Bolsonaro reconheceu, durante transmissão em redes sociais nesta quinta-feira (13), que há debates no governo sobre “furar” a regra do teto de gastos públicos.
O tema divide o governo e, nas últimas semanas, resultou em declarações enfáticas do ministro da Economia, Paulo Guedes, e outras autoridades (veja abaixo).
“A ideia de furar o teto existe, o pessoal debate, qual o problema? Na pandemia, temos a PEC [proposta de emenda à Constituição] de guerra, nós já furamos o teto em mais ou menos R$ 700 bilhões”, declarou Bolsonaro.
A “PEC de Guerra” citada pelo presidente foi aprovada pelo Congresso em maio e autorizou o governo federal a excluir, das metas fiscais, os gastos extraordinários motivados pela pandemia do coronavírus. Na prática, o texto evitou que a União, ao gastar mais, desrespeitasse a regra e incorresse em crime de responsabilidade fiscal.
“‘Dá pra furar mais 20?’ Eu falei, qual a justificativa? Se for para vírus, não tem problema nenhum. Nós entendemos que água é para a mesma finalidade”, prosseguiu Bolsonaro. Os R$ 20 bilhões citados seriam usados, segundo ele, em obras de infraestrutura e saneamento, por exemplo.
“Aí o Paulo Guedes fala, tá sintonizando para o mercado que tá furando o teto e tá dando um jeitinho. Aí outro na ponta, do outro poder, já começa a falar: ‘não vou aceitar jeitinho’. Em vez de ligar, conversar, ver o que está acontecendo”, declarou o presidente.
“Foi uma discussão de pauta, como vocês [jornalistas] fazem, que resolveram não levar adiante. Mas vazou e eu apanhei nessa questão. Mercado reage, dólar sobe, bolsa cai. Esse mercado tem que dar um tempinho também, né, um pouquinho de patriotismo não faz mal a eles”.
Debate público
Apenas 24 horas antes das declarações, na noite de quarta (12), Jair Bolsonaro afirmou em entrevista coletiva que o governo respeitará o teto de gastos. A declaração foi dada após reunião com ministros e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).
“A economia está reagindo, e nós aqui resolvemos então com essa reunião direcionar mais as nossas forças para o bem comum daquilo que todos nós defendemos”, disse Bolsonaro. “Respeitamos o teto dos gastos, queremos a responsabilidade fiscal, e o Brasil tem como realmente ser um daqueles países que melhor reagirá à questão da crise”, afirmou o presidente.
O teto de gastos é a regra que limita o crescimento das despesas da União, aprovada pelo Congresso em 2016, durante o governo Michel Temer.
Em maio, devido à pandemia do coronavírus, o Congresso aprovou o chamado “orçamento de guerra”, que permitiu ao governo fazer gastos além daqueles previstos no orçamento, a fim de atender as necessidades de mais investimentos em saúde e de renda para trabalhadores informais durante a crise.
Uma ala do governo defende a prorrogação para além de 31 de dezembro do estado de calamidade pública, que motivou o “orçamento de guerra”, a fim de se permitir ampliar os investimentos públicos. Foi contra isso que Paulo Guedes reagiu, em entrevista no Ministério da Economia, após reunião com Rodrigo Maia.

By Fred Souza

Veja Também